A.M.A.D.A.S: “Essa peça fez com que eu me sentisse mal”

PUBLICIDADE

Tays Villaca*

Acabei de voltar do Festival de Teatro de Cascavel [por volta das 20h de segunda-feira]. E acabei de ver uma das piores peças da minha vida. O monólogo falava sobre mulheres da classe média que sofrem pelas suas famílias desestabilizadas, seus maridos não carinhosos, com aquela dose exagerada de cenas Pastelão e do uso de palavras como cu, xereca, peidos e afins para buscar a graça que o politicamente correto não permite mais que a TV o faça. Também não preciso detalhar o cenário sem nenhuma preocupação estética, apenas uma reprodução ‘pseudo-Stanislaviskiana’ tosca.

Um dos fatos interessantes que deixou a peça mais ridícula ainda foi quando a atriz disse que a presidente Dilma mija de pé. Atriz global [Elizabeth Savalla] com uma carreira de décadas na Rede Globo, reproduzindo um discurso machista. (Não vejo problema em criticar o governo, mas desrespeitar, ou insinuar algo sobre a presidente numa peça de teatro é lamentável).

Minha reação foi levantar, (não para aplaudir de pé como as outras 700 pessoas fizeram) mas para ir embora. Fiquei, pois queria ver até o final, me permitir aquela tortura. O resultado foi: Essa peça fez com que eu me sentisse mal.

Mal pela cultura falida da minha cidade. Que seleciona “espetáculos” para o festival de teatro por mero status sem nenhum discernimento cultural, e nenhuma curadoria preparada para isso. O objetivo não é o enriquecimento artístico e sim o consumo. O entretenimento da pior espécie.

Mal pela falta de acessibilidade quando aos valores dos ingressos, Parecia um desfile de moda aquele teatro cheio de gente achando que estava pagando por cultura (salvo exceções) mas o que receberam foi a mesma merda que a TV produz.

Mal pelos meus amigos artistas (muitos nem estavam lá) que continuam resistindo por aqui, as vezes até sendo expulsos quando estão fazendo seus espetáculos de rua. São exemplos de resistência artística.

Mal pelos meus outros amigos que desistiram da cidade e foram embora, e hoje em Curitiba ou outro lugar, estão construindo carreiras sólidas que eu rezo e torço para que nunca cheguem à 10% do que a Elizabeth Savala fez no palco hoje.

E MUITO MAL por mim, que como um vulcão, me deixei adormecer e desistir de tudo, mudei de profissão e deixei Cascavel agir assim com a cultura, dessa forma burra, despreparada, despolitizada e vivendo de aparências.

Para fugir de tudo isso existe uma única solução: Façamos como os atores. Vamos ao teatro, vestimos um personagem e fingimos que está tudo bem.

* Tays Villaca é cantora e designer em Cascavel 

**Toda publicação feita nesta coluna expressa a opinião e é de responsabilidade do autor.

 

17 comments

  1. Essa Tays ai ..

    Super desnecessário , todos esses comentários
    Não gostou não vai mais , só que se sentiu ofendida quando falou da Dilma, e a Dilma faz um monte de coisa ruim e dae ninguém pode falar ..

    Parabéns Brasil.. Mais gente ignorante assim

    Reply
  2. Mal? Fiquei eu mal por ser atingida pela sua “liberdade de expressão”. Um SALVE para os diferentes pontos de vistas, e por isso que aqui expressarei o meu. A Cultura não é dirigida apenas para você ou para um determinado grupo de pessoas que tem um gosto específico para uma peça de teatro, tela de arte ou música… e seja ele refinado ou não. A Cultura é de todos e para todos.. mas com a sua reação em querer sair da peça de teatro, pela indignação, e digo que uma indignação um tanto quanto “insensível”, só demonstra que você tem noção disso sim. Afinal, os incomodados que se retirem né?!?! Mas pelo jeito do outro se vestir, se comportar, ou rir da piada?!?!?!? Nossa!
    Eu acho mesmo que o que foi incomodo pra você…. em outras pessoas não passaram de risadas e momentos de descontração, pois quando se vai em uma peça teatral a gente procura antes de tudo se distrair, abrir a mente, deixar brotar pensamentos e sentimentos novos… o que penso que foi um fracasso quando atingiu o seu campo de visão nivelado, limitado e um tanto individualista. O mundo seria mais mundo se a gente cultivasse diálogos e críticas de algo bem mais importante e realmente condizente do que isso… puf!!!

    Reply
  3. Penso que quando a Villaca se referiu ao machismo atribuído à figura da Dilma, foi dizendo em respeito à todas as mulheres… não tem nada a ver se é do PT ou da PQP… ela criticou uma atitude idiota de um pensamento idiota veiculado insistentemente por um meio de comunicação idiota (como a TV) em que espectadores mais idiotas ainda gosta de assimilar tamanho besteirol… acham engraçados piadinhas como: “A Dilma mija de pé”… O nome Dilma supracitado, poderia ser qqr nome de mulher… percebam: o machismo é que está em destaque e merece ser criticado, não os nomes… Dilma só veio à tona, pois era o que estava em voga naquele momento… MAIS INTERPRETAÇÃO NUNCA É DEMAIS!

    Reply
  4. Tenho sono de ler um texto como esse, essa guria não sabe nada de arte, né? Sempre se achando a alma artista de Cascavel e seu grupo com síndrome de underground, sinto lhe informar minha cara, mas a cidade não gira em torno de sua pseudo alma artística, a cidade está se evoluindo e quando finalmente temos peças nacionais depois de finalmente ficar pronto o teatro municipal você vem chorar as pitangas? Para, que tá feio! E me admira você que se diz artista querendo sensurar a arte de outro artista, em um show de stand up você não sobrevive então, né? Preguiça, apenas preguiça.

    Reply
  5. Fiz a leitura duas vezes para ver se era realmente isto que eu estava entendendo. Uma pessoa que se diz ou dizia artista, criticando de maneira severa outra, por não estar expressando, por não estar fazendo arte dentro de um determinado molde que se diz como ”cultura correta” por uns e outros aí não passa da mais pura babaquice. Temos sim uma cultura falida, por falta de apoio ao setor, e não digo só financeiro, mas sim com críticas como esta que acabei de ler. Deveria-se partir então, de um princípio básico, se as regras para conseguir peças teatrais ou qualquer outro tipo de cultura é o consumo, então ao invés de ficar reclamando com uma conversa típica esquerdista e feminazi, buscassemos soluções, idéias, alternativas, para que a cultura atinja tal consumo e com isto se torne vício, fazendo com que os artistas possam utilizar seu trabalho para muito além de sobreviver, para poderem prosperar e assim enriquecer seus conteúdos cada vez mais.

    Reply
  6. Infelizmente, ou felizmente (não sei) não pude assistir a peça em questão, entretanto compreendo tudo o que a colega Thays escreveu. Como ex artista que sou, Pois infelizmente também sucumbi ao desapego da cidade de Cascavel em respeitar, valorizar e fomentar os artistas locais, já senti esta revolta com outras produções artisticas que por aqui passaram como se fossem a melhor coisa do mundo só pq eram feitas por nomes famosos.
    Não posso falar da peça, Mas posso falar desta cultura cascavelense que quando nao tem argumentos para debater ideias tende a agredir e ofender aquele que se expressa de forma diferenciada. Pelo que percebo neste texto da Thays, não se trata de gosto pessoal, Mas sim de olhar um objeto de arte e ter um olhar crítico sobre ele. Não uma crítica vazia, Mas uma crítica com consistência e fundamentado em ideias e não em achismos, pois um objeto de arte tem funções diferenciadas inclusive entreter e fazer rir se este for o seu objetivo, Mas quem entende um pouquinho de artes sabe que uma das principais funções da arte e estimular a reflexão e não fomentar ainda mais a alienação que nosso caso em especial sufoca a massa brasileira. Portanto não é porque a peça foi feito por uma atriz renomada da rede Globo que todo mundo tem que achar que foi maravilhosa, Pois é inegável a qualidade artística da atriz, Mas é o texto? o cenario? O figurino? A iluminacao? O custo do ingresso? O acesso é pra todos? Ir ao Teatro é muito mais do que apenas se divertir é observar o todo e talvez aprender algo com isso.

    Reply
  7. ” Em terras sem cultura gemido de burro é ópera”
    A arte é uma forma de se expressar e ela tende a acompanhar os passos da humanidade.
    A humanidade se desenvolve a partir do momento em que os povos compartilham idéias e conhecimentos, povos encurralados, só enxergam o pau da cerca.
    A arte pode ser bela ou feia depende a que ou para quem é direcionada.
    A arte também serve de exposição, mostrar vestidos novos,cabelos de salão, fazer mídia politica etc…
    Tem arte que parece as pregas de um….??? é chamam de abstrata.
    Tem arte que não diz, não explica, não justifica…tenta fazer pensar,,,se tiver neurônios
    Para ver os julgamentos da arte, compra se uma cruz, arruma uns pregos e nem precisa pedir,logo vão fazer fila para te meter os pregos e dependurar te.
    Tem arte também tal o pais da fantasia, é a arte que não vende, não sai de um quadrado e só os mesmos que a faz que desfrutam dela.
    Tem a arte burguesa parecida com a citada acima, feita exclusivamente de rico para rico.
    Tem a arte tipo o filme Avatar, parecida com a citada acima, se a cidade tem 400 mil habitantes, só uns mil tem acesso a ela, enquanto os 399 mil passam a vida inteira tal boi de canga.
    Tem a arte do silêncio, do não dizer nada, tipo escrever só poesias tipo “O amor é lindo”
    Na minha opinião a arte é algo ridículo, errado, certo, indecente, louco, cujo objetivo é fazer alguém esquecer o vestido importado que trouxe para exibir, ou o terno azul, e questionar, pensar,refletir, discutir, criticar, apoiar, discordar….mas participar dentro do que se possa chamar reação humana. Sorte daqueles que ainda tem sentimentos, positivos ou negativos sobre qualquer tipo de arte, infelizmente muitos já nasceram mortos nessas ideias. Agora que escolhe, ou não escolhe, são tribos, cada macaco no seu galho, se bem que as tribos evoluiram, mas ainda existem muitas que não conhecem o contemporâneo tipo aquelas aldeias indiginas que descobriram, azar deles, logo serão incomodados. Então arte é mais ou menos…algo assim, sei lá entende? (PoetaMiguel).

    Reply
  8. Ainda bem que li sua crítica, porque tinha adorado o nome da peça e pensei que seria divertida, mas pelo visto não. Tô fora de peças desse tipo. Obrigada.

    Reply
  9. Falou que a Dilma mija em pé não é cultura, cultura é enfiar o dedo no c* do outro, cultura é pixar e quebrar tudo! Pois, eu agora não só vou assistir como vou mobilizar a galera pra ir! Adoro petista incomodado, sinal que é de qualidade!

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *