Vereadores livram Gugu, Vasatta e João Paulo de enfrentar processo de cassação

PUBLICIDADE

Por uma diferença de dois votos, foi rejeitado pedido do presidente do Psol, Laerson Vidal Matias, para instaurar uma Comissão Processante contra o presidente da Casa, Gugu Bueno (PR) e os vereadores João Paulo (PSD) e Jaime Vasatta (PTN).

Com isso, os três parlamentares escaparam de enfrentar um processo de cassação. Laerson protocolou o pedido ontem (14) tendo por base a denúncia do MP (Ministério Público) contra Gugu, João Paulo e Vasatta.

Eles são acusados de articular a absolvição do vereador Paulo Bebber (PR) por meio de um parecer inconclusivo, dando a possibilidade aos vereadores que não tinha interesse na cassação. Bebber enfrentou um processo de cassação em 2014 por ter supostamente pedido R$ 500 mil em propina para aprovar o Loteamento Riviera.

Votaram contra o processo de cassação:

Nei Haveroth (PSL), Marcos Rios (Solidariedade), Fernando Winter (PTN), Ganso Sem Limite (PSD), Cláudio Gaiteiro (PSL), Aldonir Cabral (PDT), Romulo Quintino (PSL) e Robertinho Magalhães (PMN).

Votaram a favor do processo de cassação:

Alécio Espínola (PSC), Paulo Porto (PCdoB), Pedro Martendal (PSDB), Professor Paulino (PT), Rui Capelão (PPS) e Walmir Severgnini (Pros).

Abstenção: O vereador Celso Dalmolin (PR), se absteve pois se julgou parte interessada visto que é suplente de Paulo Bebber e, por razões óbvias, quer que ele continue afastado.

Não votaram: Gugu Bueno, João Paulo e Jaime Vasatta que são denunciados. O vereador Luiz Frare, que presidiu a votação,  Vanderlei do Conselho (PSC) e também Jorge Bocasanta (PT) que não estavam na sessão.

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *