Nomeação de Serraglio ao Ministério da Justiça desceu quadrado

PUBLICIDADE

A nomeação do paranaense Osmar Serraglio (PMDB) como ministro da Justiça não desceu redondo para todo mundo. Enquanto por aqui, a imprensa e admiradores dos deputado enche os olhos: ‘Ah, é mais uma paranaense no mais alto escalão do governo federal’, lá em Brasília o buraco é mais embaixo.

Segundo o blog do Esmael Morais, o vice presidente da Câmara – Fábio Ramalho, do PMDB de Minas Gerais rompeu com o governo Temer.

“O vice-presidente da Câmara e coordenador da bancada de Minas defendia um ‘mineiro’ para a Justiça, mas viu seu pleito frustrado nesta quinta (23) com o anúncio do paranaense Osmar Serraglio (PMDB), presidente da CCJ, como substituto de Alexandre Moraes, que foi para o STF'”, escreveu Esmael.

Ramalho não foi o primeiro do PMDB a levantar a voz contra a nomeação. O senador Roberto Requião (PMDB), já tinha o feito.

Requião chegou a dizer que a indicação de Serraglio mostra que Eduardo Cunha ainda tem poder de fogo.

O senador postou um vídeo nas redes sociais, divulgado ontem no blog do Esmael, afirmando que Serraglio é do grupo de Eduardo Cunha. “Ele não é do meu time”, fez questão de repetir várias vezes. “Ele traiu o PMDB para apoiar Beto Richa, do PSDB”, complementou.

Veja o vídeo.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *